sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Apes participa de Audiência Pública para debater as eleições de diretor escolar


Na terça-feira, 06 de dezembro, a Associação Paraibana dos Estudantes Secundaristas (APES) participou de uma audiência pública promovida pela Assembleia Legislativa da Paraiba para debater a decisão do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB), que considerou inconstitucional o direito das comunidades escolares elegerem seus gestores. Com essa decisão, passa a ser competência do governo estadual a nomeação de diretores e vice-diretores escolares. O pedido foi do Ministério Publico. 

Entre as falas que agitaram o plenário, estavam a da presidente e do vice da APES, Maria Denise e Jonata Silva, que se colocaram contra a decisão do Tribunal e a favor do direito de escolha dos estudantes sobre qual o melhor modelo de gestão. Defendeu-se que tal decisão contrasta bastante com o projeto "Escola sem Partido", que determina que nenhuma ideologia deve ser debatida no ambiente escolar. Ora, se a academia deve ser apartidária, nenhum governador representante de partido A ou B deveria participar diretamente de suas eleições. João Batista, do Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas, fez uma fala sobre a situação precária estrutural nas salas, pátios e laboratórios estudantis. "Lutamos pela reorganização urbana e moradia digna e nos somamos à luta por educação", disse.


A mesa reuniu vários sindicatos ligados à educação, professores e alunos e foi coordenada por Anisio Maia, único deputado presente na audiência. As propostas foram encaminhadas ao deputado, que no final propôs uma conversa formal das lideranças com o governador do estado. Mas está claro que se a conversa não for capaz de barrar essa decisão do TJPB, haverá muita mobilização e luta. A APES segue decididamente na luta em defesa da democracia nas escolas!

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Sobre o adiamento do ENEM e a intransigência do MEC!

Desde o fim do ano passado o movimento de ocupações das escolas vem crescendo e se intensificando. A última leva de ocupações contra a reformulação do Ensino Médio de Temer e a PEC do Teto de investimentos cresce mais a cada dia. Todas essas medidas antidemocráticas demonstram o caráter ditatorial desse governo. As ocupações das escolas desde o inicio lutam por uma escola mais democrática e mais participativa e em resposta a isso Mendonça Filho propõem a reformulação do ensino médio que muda radicalmente a realidade de todos os estudantes do pais sem ao menos consultar quem vive cotidianamente a escola. Além disso propõem que as escolas sejam de ensino integral e faz promessas sobre a qualidade de ensino ao mesmo tempo que impõe um Teto de Gastos e retrocesso em várias políticas educacionais como as bolsas de iniciação cientifica, políticas de assistência estudantil e já deu declarações contra o método de ensino dos Institutos Federais. 

O ENEM hoje é um momento determinante na vida acadêmica da juventude brasileira e o ministro golpista não cansa de ter medidas impositivas, sem diálogos e de tentar colocar a massa dos estudantes que ocupam escolas contra todo mundo que esperou o ano todo pra fazer o ENEM. Em nenhum momento as ocupações se manifestaram contra a realização da prova. Com um posicionamento idêntico ao acordo feito com o TRE nos lugares onde aconteceram segundo turno das eleições onde ambos os fatos aconteceram normalmente, tanto as ocupações quanto o processo eleitoral. Se o MEC procurasse os estudantes para negociação e conversa tudo seria resolvido porém com um posicionamento arrogante e de pouco caso com a luta da juventude Mendonça Filho prefere botar estudante contra estudante. Nosso inimigo é quem tira dinheiro da educação pra dar pra banqueiro e quem tem envolvimento com corrupção e não quem luta pela educação.
Aqui na Paraíba mesmo, o campus de Cabedelo do IFPB e vários outros campus/colégios ocupados anunciaram a vários dias a desocupação temporária para que fosse aplicada a prova do Enem. No entanto, o MEC mantém decisão autoritária de suspender a prova nos lugares que foram ocupados.


Por isso viemos manifestar nosso repudio ao posicionamento do MEC de intransigência e tendencioso contra a luta dos secundaristas.

OCUPA TUDO
FORA TEMER
XÔ MENDONÇA
PELA DEMOCRACIA NA ESCOLA E NO PAÍS

Ato dos estudantes de Bayeux! Não á Pec 241/55!


Nesta ultima segunda-feira, os estudantes de Bayeux realizaram um grande ato contra a PEC 241. A manifestação também foi contra a reforma do Ensino Médio, o PL Escola Sem Partido e o Ministro da educação desse governo golpista, Mendonça Filho. 

Se colocadas em prática, essas medidas afetarão não só os estudantes mais a sociedade em geral. A juventude está, atualmente, em luta ferrenha para que esses retrocessos não sejam colocados em prática e o ato dos estudantes de Bayeux demonstrou que os estudantes não irão aceitar passivamente.

Nós da Associação Paraibana dos Estudantes Secundaristas também participamos e auxiliamos na organização da manifestação, e em todo o estado temos acompanhado as ocupações e mobilizações contra os ataques do governo. É essencial que a juventude se mantenha mobilizada!

O ato dos estudantes de Bayeux fechou a Av. Liberdade por quase 1 hora, e com a participação de dezenas de estudantes, que puxaram palavras de ordem, deixou o recado: Chega de ataques aos nossos direitos! 

Em todo o estado continuam as mobilizações e a APES irá se manter na linha de frente na luta dos estudantes paraibanos por educação de qualidade e contra todos os ataques de qualquer governo à educação pública, que é um direito todos e todas.
À luta contra a PEC 241, a reforma do Ensino Médio e contra esse governo golpista!
O futuro será nosso, se o presente for de lutas!
#ApesResiste #ApesNaLuta

NADA HÁ TEMER SE NÃO O CORRER DA LUTA! POR UMA REFORMULAÇÃO DE MAIS INVESTIMENTOS E QUE SAIA DO CHÃO DA ESCOLA E DE QUEM VIVE A ESCOLA TODO DIA

No início de setembro, o Ministro da Educação, Mendonça Filho, e o golpista Michel Temer apresentaram a medida provisória 746 para a reformulação do Ensino Médio. No entanto, a medida está longe de resolver os problemas da educação e possui uma série de contradições e aspectos negativos. Um deles é a possibilidade do fim da obrigatoriedade da oferta das matérias de Sociologia, Filosofia, Artes e Educação Física. São matérias que proporcionam ao estudante o pensamento crítico e a construção de opiniões, permitem a expressão de sentimentos e a melhoria da condição física através da prática saudável de esportes.
Outro problema está na junção das matérias por área de conhecimento, como acontece no ENEM, sem que haja capacitação dos professores para ministrar essas aulas. Como solução, a MP propõem o “Notório Saber” nas questões ligadas a educação técnica, que na prática significa que de mais nada ira servir a didática ou conhecimentos pedagógicos para lecionar nas salas de aula e sim só o conhecimento técnico sobre a área. Ou seja, não resolve o problema. Além disso propõe aula de formação profissional, sem as condições adequadas para o aprendizado de uma profissão e sem o pensamento crítico sobre o trabalho desempenhado. A ideia é formar, de maneira tecnicista, jovens para ingressar no mercado de trabalho e servir aos interesses das empresas. Mas não para por aí! Agora, os estudantes terão sete horas diárias de aula. Isso implica que ficaremos parte da manhã e da tarde na escola.
Sabemos que grande parte dos jovens do nosso país já são ingressos no mercado de trabalho e tentam conciliar o emprego com a sua formação escolar. Uma solução seria a escola auxiliar os estudantes que precisam trabalhar para ajudar em casa, mas esse problema nem pareceu passar pela cabeça do Mendonça. Sete horas diárias de aula acarreta outros problemas: as escolas de ensino médio já possuem salas de aula cheias. Se a proposta é juntar os turnos, as salas vão ficar lotadas ou a oferta de vagas irá diminuir. Qualquer uma das opções é pior para os estudantes e professores. Num momento em que se busca aprovar a PEC 241, que vai congelar os investimentos em educação durante 20 anos, aprovar uma reforma desse tipo no Ensino Médio que já está defasado é no mínimo inconsequente. Os estudantes não terão garantia de alimentação, de melhoria da estrutura escolar, de assistência estudantil. Os professores não terão garantia de formação continuada, de condições dignas de trabalho e, caso a reforma da CLT seja aprovada, irão se aposentar aos 70 anos.
Ou seja, a escola da PEC 241 é uma escola mais sucateada que a que temos hoje. Enquanto isso, o nosso país continua mandando bilhões de reais por ano para pagar a dívida pública, que é o sistema de transferência de recursos da nação para os bolsos de banqueiros e empresários mais corrupto da nossa história. Afinal, ninguém sabe de onde vem essa dívida e nem para onde vai todo esse dinheiro. Uma reforma do ensino médio que é aprovada juntamente com uma PEC que estabelece o teto para gastos com educação não pode ser de forma alguma, uma reforma que vá melhorar a nossa situação. Por fim, em nenhum momento houve a discussão por parte do governo com os estudantes e os professores sobre o que achamos que deve ser modificado no ensino médio e nas nossas escolas. Na primavera secundarista, mais de 600 escolas foram ocupadas em todo o país e hoje já são mais de 1200 escolas e Institutos Federais ocupados contra a PEC 241 e a Reformulação do Ensino Médio. Afinal, não era essa a proposta dos estudantes para a melhoria do ensino ao fazerem as ocupações do final do ano passado e durante todo esse ano. Essa reformulação foi mais um golpe do governo em cima do povo, que vai ter que se virar pra conseguir um diploma de ensino médio. A melhor reformulação do ensino médio possível é com mais investimento em materiais didáticos, investimentos em assistência estudantil e nos profissionais de educação e radicalizar na gestão democrática em todas as instituições de ensino. Os estudantes querem ser ouvidos e participar das decisões e essa medida do Mendonça só prova que os golpistas querem exatamente o contrário.
Entendemos que uma medida dessas, aprovada sem discussão com a população, não vai resolver nossos problemas. Por isso, diversas entidades estudantis secundaristas de todo o Brasil, que há anos estão na luta por uma educação pública, gratuita e de qualidade, se reuniram e convidam os/as estudantes brasileiros/as a se organizarem em suas escolas, fazer debates, palestras e rodas de conversas sobre esse MP que pode retroceder tanto nossa escola. É pra frente que se anda! Lutar contra essa medida autoritária na rua e não dar sossego ao golpista Michel Temer e o corrupto Mendonça Filho é determinante para nossa educação. Abaixo a reformulação do ensino médio, a PEC 241 e a lei da mordaça. Os poderosos só querem sucatear a escola, formar mão de obra barata e alienar nossa juventude. Fora Temer! E leva o Mendonça junto!

Assinam está nota:
União dos Estudantes Secundaristas de Belem - UESB
Associação Municipal dos Estudantes de Teresina - AMES
União dos Estudantes Secundaristas de Timon - UEST
União dos Estudantes Secundaristas da Região Metropolitana de Fortaleza - UESM
União dos Estudantes Secundaristas Potiguares - UESP
Associação Paraibana dos Estudantes Secundaristas - APES PB
União dos Estudantes Secundaristas de Pernambuco - UESPE
Associação Recifense dos Estudantes Secundaristas - ARES
União dos Estudantes Secundaristas de Caruaru - UESC
Associação dos Estudantes Secundaristas de Petrolina - UESP
União dos Estudantes Secundaristas de Serra Talhada - UESST
União dos Estudantes Secundaristas de Jaboatão - UESJ
União dos Estudantes Secundaristas de Olinda - UESO
União dos Estudantes Secundaristas de Carpina - UESC
União dos Estudantes Secundaristas de Palmares - UESPA
União dos Estudantes Secundaristas de Barreiros - UESB
União dos Estudantes Secundaristas de Goiana - UESG
Associação Litero Social dos Estudantes de Moreno - ALSEM
União Secundarista dos Estudantes de Alagoas - USEA
União dos Estudantes Secundaristas de Juazeiro - UESJ
Associação Metropolitana dos Estudantes de Salvador - AMES Salvador
Associação Municipal dos Estudantes Secundaristas de Feira de Santana - AMES FSA
Associação Metropolitana dos Estudantes Secundaristas de Belo Horizonte - AMES BH
União Municipal dos Estudantes Secundaristas de Ouro Preto - UMES OP
Diretório dos Estudantes de Montes Claros Livre- DEMC Livre
Associação dos Estudantes Secundaristas do Estado do Rio de Janeiro - AERJ
União dos Estudantes de Duque de Caxias - UEDC
União Meritiense dos Estudantes Secundaristas - UMES SJM
União Municipal dos Estudantes Secundaristas de Armação de Buzios - UMEAB

sábado, 15 de outubro de 2016

Tirem as mãos da nossa educação!

Não à reformulação do Ensino Médio de TEMER-Mendoncinha!

“Ser culto, para ser livre!”. Com essa afirmação o líder revolucionário latino-americano José Marti, deixou clara a necessidade do acesso ao conhecimento para a conquista da liberdade, seja enquanto indivíduo ou para toda a sociedade.
Não à toa o direito ao saber, a dominar as ciências naturais e humanas sempre foi algo negado ao povo brasileiro, que viu projetos e modelos educacionais retrógrados e conservadores durante praticamente todos os séculos desde a famigerada ocupação europeia e o genocídio contra os povos nativos de nosso território.
Inegavelmente, o crescimento do acesso à educação vivido nas últimas décadas foi acompanhado de um progressivo sucateamento das condições de ensino, através da precarização das relações trabalhistas e salariais de professores e técnico-administrativos, falta de condições estruturais nas escolas, bem como um processo de ensino-aprendizagem que não acompanha as mudanças tecnológicas e no acesso a informação que vivemos hoje, resultando numa escola distante de cumprir seu papel social e de formar cidadãos críticos e preparados para integrar-se ao processo produtivo na sociedade.
Nesse sentido, existe uma clara disputa de concepção e de modelo educacional, entre uma escola tradicional, ainda herdeira da época da ditadura militar, tecnicista, pautada na repetição de exercícios e esquemas, sem reflexão, e uma escola crítica e questionadora, que valoriza a interdisciplinaridade, a contextualização, antenada às transformações que o mundo vive, sem perder sua referência na formação do cidadão e de uma busca constante pelo entendimento do papel de cada indivíduo na sociedade.
Basta conhecer um pouco a educação básica para saber que esse primeiro modelo tem larga hegemonia de norte a sul do país, o que implica em estudantes desmotivados, com pouca apropriação de conteúdos e, quando muito, preparados apenas para responder uma prova do ENEM, para que a partir daí, os que ingressarem no ensino superior obtenham uma determinada formação profissional.
Governo golpista propõe grave ataque ao ensino médio
Nos últimos dias, o tema da reformulação do ensino médio tem ganho destaque na mídia, e em toda a pauta educacional brasileira, a partir da edição de uma Medida Provisória que institui a chamada “Política de Fomento a Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral”, alterando as Leis de Diretrizes e Bases da Educação.
Entre as grandes medidas propostas pela MP estão a retirada de disciplinas como Sociologia, Filosofia, Artes e Educação Física da Base Nacional Comum Curricular, e ainda a redução das demais disciplinas, com exceção de Português e Matemática, dos três anos do ensino médio.
Essa alteração curricular ocorreria de forma integrada com a ampliação da carga horária para 7h diárias, sem levar em conta sequer o impacto que essa mudança representará nas escolas que tem, via de regra, ensino médio ofertado durante os turnos de manhã e tarde. Institui ainda a ideia de “créditos” a exemplo das universidades, com o objetivo de “flexibilizar” os conteúdos e permitir aos estudantes optarem pelo que pretendem estudar.
São Paulo - Ato Contra a Reforma no Ensino Médio na Avenida Paulista, região central (Rovena Rosa/Agência Brasil)
Quer dizer, uma profunda mudança em toda estrutura da educação básica, que exigiria uma verdadeira revolução na infraestrutura das escolas, a devida valorização de todos os profissionais da educação, e claro, um profundo debate na sociedade para estabelecer quais os parâmetros desse novo currículo, sua relação com a “experiência prática de trabalho no setor produtivo”, de forma a preservar que as escolas tenham autonomia frente as empresas na sua decisão dos currículos, e como, verdadeiramente poderíamos transformar a educação brasileira.
Mas, a verdade é que não é esse o objetivo do governo. A edição de uma MP para tratar dessa reformulação no ensino médio não é por acaso, pois essa proposta não se sustentaria sobre nenhuma discussão séria sobre a educação básica no país. Para o corrupto ministro Mendoncinha, por exemplo, os professores são “privilegiados”, já os deputados e juízes que recebem auxilio paletó, moradia, trabalham apenas alguns dias por semana, não.
Esse modelo pretende ampliar uma educação tecnicista e conservadora nas escolas, impedindo debates interdisciplinares, limitando as possibilidades de discussão e reflexão, e vão na mesma lógica de ampliar a formação de mão-de-obra para as empresas, de forma cada vez mais restrita e com menos domínio sobre o conhecimento e a realidade que nos cerca.
Uma educação pobre, num grande atestado de incompetência por parte dos governos que, diante de uma análise que a escola vai mal, opta por reduzir seus conteúdos para que consiga-se aprender algo. Mas que algo será esse? O de meramente reproduzir tudo que já está ai colocado?
Para nós esse é um momento extremamente importante e grave para toda a juventude brasileira. Estamos diante de um dos maiores, se não o maior ataque já vivido pela educação, onde tentam legitimar uma educação castradora de nossos sonhos, uma educação restrita para os filhos dos pobres, cada vez mais distante do acesso ao conhecimento.
A reformulação do ensino médio de um governo golpista, não poderia ser diferente. Dizemos não a MP e reafirmamos o Fora TEMER e o Xô Mendonça! A juventude quer mais, quer poder ser livre e ter acesso as ciências, as artes, ao esporte e a cultura. Queremos uma educação transformadora para formar pessoas críticas, sujeitos ativos na construção de uma nova sociedade, com valores humanos e não mercadológicos.
Sejamos realistas! Exijamos o impossível!

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Chapa Geração Consciente é eleita para o Grêmio Estudantil da escola JRBS

Exibindo IMG_20160829_100444742.jpgA escola João Roberto Borges de Souza, conhecida por carregar o nome de um líder estudantil paraibano assassinado covardemente pela Ditadura Militar, realizou nesta terça-feira(30/08/2016) a eleição para o Grêmio Estudantil. 

A chapa Geração Consciente, única chapa inscrita para o pleito, expressou a unidade dos estudantes em torno da luta por uma escola melhor e pelo cumprimento dos anseios dos estudantes. 
A eleição começou ás 8h da manhã e encerrou-se por volta das 20h da noite, tendo a chapa Geração Consciente obtido 89,5% dos votos, ou seja, 210 estudantes votaram na chapa. 

Exibindo IMG-20160901-WA0020.jpgPara Jônata Silva, reeleito presidente do Grêmio, 'Temos uma expectativa grande! Mais do que nunca, temos a chance de mudar a rotina dos estudantes, seja através da luta por melhorias estruturais, ou pelas atividades culturais e esportivas que nos propomos a realizar. Precisamos seguir o exemplo de João Roberto Borges, que não desistiu de seus ideais. Nossos ideais são de transformação, e com a construção coletiva, iremos alcança-los"
Exibindo IMG_20160830_103220480_HDR.jpg
Para Gabriella Lima, estudante do 1º Ano(Manhã), eleita Vice-Presidente do Grêmio, "Participar do Grêmio está sendo uma experiencia proveitosa para mim. Iremos dar o nosso melhor em favor da escola e do bem estar dos estudantes".

Exibindo IMG_20160830_100050459.jpgJá Waslly Santos, eleito Tesoureiro, disse que "Está sendo ótimo participar do Grêmio Estudantil, criar propostas e lutar pela realização delas. Acho que cada proposta alcançada será um grande avanço para todos os estudantes da escola. Estou muito disposto à continuar dando o meu melhor pela escola de nossos sonhos"

Exibindo _20160829_155729.JPGEduarda Oliveira, conhecida como 'Duda", diretora de Diversidade Racial, foi direta ao afirmar 'Seria ótimo se todas as escolas tivessem um Grêmio Estudantil, pois o Grêmio é a voz dos estudantes. Se depender de mim, continuarei participando do Grêmio até o momento em que eu terminar o Ensino Médio e ter que sair da escola, pois é no Grêmio que começa a mudança"

A Apes considera essencial cumprir a tarefa de dar assistência aos Grêmios estudantis, por isso nós parabenizamos a diretoria eleita e nos comprometemos a realizar debates e demais atividades em parceria com este grêmio combativo e de luta que está sendo construído na escola João Roberto Borges de Souza.
Em cada escola, um Grêmio!
Em cada Grêmio, uma Luta!

terça-feira, 28 de junho de 2016

Fora Mendonça! Educação SIM! Corrupção NÃO!

Fora Mendonça! 


Desde que o ilegítimo governo de Michel Temer (PMDB) assumiu, as medidas para favorecer os ricos, grandes banqueiros, e as denúncias de corrupção não param de crescer, demonstrando que desse novo-velho governo nada podemos esperar para resolver os graves problemas que o país vive.
O Ministro da Educação Mendonça Filho (DEM-PE), de acordo com denúncia da Procuradoria Geral da República, recebeu R$ 100 mil da UTC, empresa envolvida na Operação Lava-jato para financiar sua campanha a deputado federal no ano de 2014. Em sua defesa ele alega que o dinheiro foi depositado na conta do DEM e não diretamente na sua, mas dessa forma confirma o pagamento da propina.
Ao assumir o MEC, Mendonça deu início a uma tentativa de esvaziar as funções do Fórum Nacional de Educação, a Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (Secadi), e ainda tem buscado intervir na autonomia das instituições, como no caso da divisão do Instituto Federal de Pernambuco visando a criação de um novo instituto com sede em sua cidade natal.
Demonstrando ainda sua incapacidade de diálogo e articulação com os educadores do país, restou a Mendonça receber já nos seus primeiros dias de ministério as valorosas contribuições do “educador” Alexandre Frota. Vergonhoso!

Um filme que se repete

Mas basta observar a trajetória de Mendonça que não encontraremos nenhuma novidade em suas ações. Enquanto foi vice-governador e governador de Pernambuco em nada melhorou a educação básica e impôs ao povo pernambucano escolas sucateadas, falta de professores e praticamente nenhum investimento ao longo de seus oito anos de governo, bem como negligenciou o financiamento e a manutenção da Universidade estadual, a UPE.
Quanto a corrupção, basta lembrarmos da sua ilustre presença na lista de recebedores de propinas na Operação Castelo de Areia, quando em 2008 também recebeu recursos de empreiteiras, dessa vez a Camargo Correia, para sua campanha à prefeitura do Recife.

Educação SIM! Corrupção NÃO!

Os estudantes e a juventude brasileira não aceitam essa situação. Enquanto nos faltam condições de acesso à uma educação de qualidade, escolas abandonadas pelos governos, falta de vagas nas universidades, vemos a ascensão de um Ministro que simboliza o que há de mais retrógrado na política nacional, com casos de corrupção, coronelismo e representando um partido que notadamente defende uma educação elitista e conservadora.
Queremos a valorização da educação brasileira, e isso só será possível com a construção de uma educação crítica e libertadora, com a destinação de mais verbas para a educação e garantia de bolsas para os estudantes. Neste sentido, nos somamos na luta contra o pagamento da dívida pública, para que o dinheiro do povo seja destinado em benefício do povo brasileiro.
OBS: Matéria extraída do site da União da Juventude Rebelião(UJR).

Outros posts

Contador de Visitas

hospedagem de sites

 
Design by Wordpress Theme | Bloggerized by Free Blogger Templates | coupon codes